CONFERÊNCIA

 

Participantes relatam experiências promotoras de saúde e desafios

 

Após a abertura da I Conferência UnB Promotora de Saúde, evento organizado pelo Diretoria de Atenção à Saúde da Comunidade Universitária (DASU/DAC/UnB), deu-se continuidade às atividades com a realização da Primeira Conferência Universidade Promotora de Saúde: Ecos da Pré-Conferência. Contando com a participação da professora Larissa Polejack, diretora da DASU; professora Leides Moura, do Departamento de Enfermagem (ENF/UnB); professora Clélia Pereira, do curso de Saúde Coletiva da Faculdade de Ceilândia (FCE/UnB) e Maria Eduarda Krasny, coordenadora da pasta de Mulheres e Gênero do  Diretório Central dos Estudantes (DCE/UnB). 

Maria Eduarda Krasny iniciou o evento destacando que para pensar em uma Universidade promotora de saúde é necessário refletir sobre as vivências da comunidade acadêmica. Apontou que é necessário melhorar os espaços de convivência dentro e fora da UnB para acolher a diversidade presente na comunidade. Finaliza dizendo:

 

‘’ falar hoje da universidade promotora de saúde é falar de um nome social com a qual as pessoas se identifiquem dentro desse espaço, com o qual as pessoas tenham respeito pela sua identidade e possam usar banheiros de acordo com seu gênero; falar também da mobilidade urbana, falar do RU, falar no bem viver’’. 

 

A Professora Leides Moura, em um primeiro momento, apresenta algumas frases do livro Universidade Promotora de Saúde lançado em 2018. Após isso, expõe uma ‘’linha do tempo’’ de eventos da Universidade De Brasília: o primeiro evento em 2014 consolidou alicerces para a construção da cultura promotora de saúde no cotidiano da Faculdade de Saúde. Foi no segundo Seminário Internacional FS Promotora de Saúde em 2016, que a FS foi certificada nessa rede de Universidades Promotoras de Saúde. Em 2018 foi realizado o evento Rede Brasileira da Universidades Promotoras de Saúde, em que a UnB foi certificada na Rede Ibero Americana de UPS. Na carta de Brasília, publicada em 2018, definiu-se o que seria uma Universidade Promotora de saúde. A professora finaliza sua fala chamando a comunidade para construir as pontes para a travessia, pela política da UnB UPS. 

Professora Clélia Pereira apresenta a FCE/UnB Promotora de Saúde: mostra os cursos da Faculdade de Ceilândia e expõem vários projetos construídos em âmbito de coletividade. Cada projeto tem sua especificidade única para promover a saúde dentro e fora da Universidade da Faculdade de Ceilândia. Um exemplo são as ações voltadas para a promoção de ambientes saudáveis como o projeto Pare, pense e descarte. Essa mesma iniciativa envolve outros grupos, sendo assim há o projeto Terapeutas Populares no DF e Região do Entorno: Diálogo Entre Saberes e Práticas. Finaliza sua fala expressando a animação da FCE com o conferência. Ainda fala que a comunidade precisa de uma cultura cooperativa para como um todo, promovermos saúde. 

A Professora Larissa Polejack expôs um pouco da história da DASU e mostrou as atribuições da DASU como promotora de saúde. Há um plano de contingência elaborado pela unidade, para a UnB, que hoje se encontra na sexta edição. Falou também sobre os comitês de enfrentamento ao Covid-19 a qual fazem parte. A DASU também está fazendo ações de promoção e prevenção da saúde como Cartas Solidárias, UnB Solidária, Terapia Comunitária Online e outros nestes tempos pandêmicos. Há também atendimentos psicológicos individuais e em grupos promovidos pela instituição. Finaliza sua fala convidando a comunidade para participar dos GTs que aconteceriam no dia seguinte. Também convidou para o II Encontro da REBRAUPS nos dias 11 e 12 de novembro dentro do Centenário da UFRJ e o II Congresso da BRAPEP de 2 a 5 de dezembro. 

Ao final da conferência, os convidados responderam uma pergunta feita pelo chat da live e agradeceram.