MENU



O Comunica FS conversou online com as professoras Andrea Mathes e Keila Christianne, coordenadoras do Centro de Memória do curso de Enfermagem do Departamento de Enfermagem (ENF/UnB) sobre o passado, o presente e os planos futuros desse projeto que, desde 2015, tem como missão registrar, documentar e propagar a história, em construção, do Departamento de Enfermagem, que aniversariou no dia 9 de abril, completando 46 anos em 2021.

O início do projeto ocorreu após o aniversário de 40 anos do curso, em 2015, de onde saiu a motivação de registrar e divulgar de forma mais ostensiva a história do curso, permitindo que pessoas de dentro e fora da comunidade interna da universidade possam ter acesso a essas informações. Criando também possibilidades acadêmicas de extensão, pesquisa e iniciações científicas relacionadas a essa história do departamento.

O projeto teve o apoio dos alunos desde seu início, criando uma ponte entre o corpo docente e discente, unidos e se apropriarem da própria história. Alunos egressos ajudam a contar a história, fornecendo mais peças a esse quebra cabeça que seria a história do curso de Enfermagem. Por isso é necessário a ajuda de quem faz parte dessa história, relatando suas vivências e experiências dentro do departamento. As professoras compartilharam o orgulho, e a sensação de família que sentem ao procurar essas pessoas, e ver a alegria e prontidão delas em ajudar o projeto. Algo que com certeza ajuda a manter a energia alta e a motivação sempre constante em propagar esse trabalho essencial não só à FS, mas a toda UnB.

Um dos pontos mais importantes que as professoras levantaram ao contextualizar o Centro de Memória é a importância do projeto para a valorização de todas as pessoas que fizeram parte da história do curso de Enfermagem da UnB e que logo passaram, também, a fazer parte da história da enfermagem no Brasil. Desde 2017, quando o projeto foi aprovado a se transformar em pesquisa, estão sendo feitas gravações das entrevistas com ex-alunos, e com essas pessoas que moldaram o departamento com sua presença. O Centro de Memória defende uma cultura de reconhecimento necessário, criando assim visibilidade à saúde, e à pesquisa desenvolvida no DF; além de ter sido o pivô da criação de disciplinas dentro do currículo do curso.

O Centro de Memória compartilhou a história da primeira enfermeira do curso, fazendo uma retrospectiva de seus passos na universidade e ao sair dela, a história de uma verdadeira pioneira da saúde e da Universidade de Brasília. O Centro registrou também as memórias da primeira docente do departamento e coordenadora do curso, a partir dos relatos da filha e da família.

O Centro é um projeto de extensão desde 2017. Quem participa é um extensionista e desenvolve pesquisa. Desde 2019 o Centro é representado por um espaço físico na FS, onde armazenam esses materiais, os recuperam, já que muita documentação vem em baixa qualidade, e mantém uma manutenção constante e treinada dos materiais, além da criação de exposições. A professora Andrea ressalta o “apoio essencial, até de outras áreas, nesse resgate histórico do nosso curso” ao relatar que docentes antigos já aposentados doaram livros e materiais para o Centro de Memória.

Olhando para o futuro, o Centro de Memória já trabalha para a criação do Centro de Memória Virtual, que é uma proposta de digitalizar todo o material do acervo do Centro e disponibilizá-lo online. A falta de espaço físico no começo da jornada do Centro já inspirou a ideia do centro virtual, que segue em montagem. Esse passo é essencial ao desejo de democratizar esse conhecimento, e expandi-lo a nível nacional, permitindo a pesquisa de profissionais de diferentes áreas, estudantes e qualquer outro tipo de público curioso e interessado pelo tema da enfermagem.

O registro da preciosa história do Departamento de Enfermagem além da valorização dos profissionais que, principalmente, na recente história pandêmica, seguem de forma heroica o compromisso ético e moral da sua área de atuação, também é fundamental para a perpetuação de uma cultura de respeito à enfermagem e a todos e todas que passaram pelo Departamento de Enfermagem da FS/UnB. A professora Keila disse ainda: "É importante a gente pensar mesmo no futuro. A gente precisa registrar ainda muitas histórias, muitos profissionais que já passaram pelo nosso curso e fizeram ele chegar onde chegou." Cada vez mais acesso e cada vez mais material, tanto presencial com um acervo de fácil acesso de visitação, quanto online disponível para o mundo todo: esse é o desejo desse projeto mais que especial.

 

 

 

WhatsApp Image 2021 05 13 at 16.22.37

 

 

WhatsApp Image 2021 05 13 at 16.22.38

 

 

WhatsApp Image 2021 05 13 at 16.22.38 1

 

 

WhatsApp Image 2021 05 13 at 16.22.39

 

 

WhatsApp Image 2021 05 13 at 16.22.40

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

Vidas que se movem, mesmo à distância

Daniela Bezerra*

Na quarta-feira do dia 11 de março de 2020, em meio ao início de uma crise sanitária sem precedentes na história mundial, o Governo do Distrito Federal (GDF) decretou a suspensão das aulas nas redes pública e privada. Naquele momento, a Universidade de Brasília (UnB) passou a viver uma nova realidade diante de sua atividade primária de ensino, pesquisa e extensão. Entrava em cena o home office (trabalho remoto);  alunos tiveram, a partir de 23 de março, a suspensão do calendário acadêmico (decisão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e só passou a funcionar, presencialmente, aquilo que era estritamente essencial como, por exemplo, o serviço de limpeza, vigilância e de alguns laboratórios. Tudo parou nos quatro campi; pelo menos essa era a primeira impressão que nos dava. A cena, poder-se-ia dizer, parecia ser ‘coisa de outro mundo’: ver os campi que, antes, tinham tanta vida, de repente, um vazio sem  gente, sem cor, sem calor, sem a nossa UnB ao vivo e à cores que tanto estávamos acostumados.

De lá para cá, foram muitos anseios e receios; muitas dúvidas e preocupações. Era a cobrança pelo auxílio emergencial que não saía como mandava o figurino; era a cobrança pelos empregos que haviam sido perdidos, e, naturalmente, a sociedade passou a demandar pelos serviços públicos e seus agentes: onde estariam? Aliás, como estariam? De que forma os usuários poderiam usufruir daquilo que estava sendo oferecido e, de repente, como uma onda gigantesca que surge do nada, o corona vírus veio chegando e mudou, de forma repentina, aquela rotina que, antes, era considerada normal. 

Diante dos fatos, a direção da Faculdade de Ciências da Saúde (FS/UnB) entendendo que, mesmo com a pandemia, muitos serviços continuavam a ser oferecidos e, ao contrário, tiveram sua rotina reforçada, resolveu criar um canal de comunicação que ampliasse o contato entre as comunidades interna e externa à UnB para informar, atualizar, orientar sobre tudo aquilo que se realiza na FS.

A Campanha FS em Movimento surge no momento em que, mesmo onde não se pode ver cor, vida, corpos humanos, é possível alcançar, mesmo à distância, e atingir muitos usuários dos serviços de ensino, pesquisa e extensão realizados na faculdade. E não somente isso: aqui, nossos usuários poderão contar, também, com o apoio e o serviço realizado pelos nossos queridos (as) estagiários e estagiárias, além dos técnicos e técnicas que – mesmo nos bastidores – são agentes essenciais para o funcionamento da nossa universidade. 

Nesse espaço, que estará em constante atualização, você poderá acompanhar os projetos que estão em andamento; o canal de comunicação com os principais agentes responsáveis por cada setor da FS.  Será por aqui que você, usuária e usuário, poderá se debruçar dos diversos serviços que estão sendo oferecidos neste período de isolamento como, por exemplo, as práticas de automassagem, de autocuidado realizadas pelo projeto Práticas Integrativas Complementares em Saúde (PICs). Também é nesse espaço, onde você poderá acompanhar as pesquisas que estão sendo desenvolvidas – ligadas ou não à COVID, bem como todos os trabalhos que estão sendo realizados pela Grande Família FS. 

Sabemos que todo esse período de pandemia, esse momento de estarmos em isolamento vai passar. Mas, mesmo que tudo isso um dia acabe (e vai acabar!), não podíamos deixar de registrar os corpos que se movem (mesmo à distância), as cores que colorimos, as vidas que se abrem e se pulsam, num constante e instante de momentos desencontrados: A FS vive! A FS está em constante movimento! 









 

*Daniela Bezerra é servidora técnica-administrativa da UnB desde 2010, lotada na Faculdade de Ciências da Saúde (FS/UnB). Editora de Publicações, atualmente, é coordenadora do Núcleo de Comunicação da faculdade, o Comunica FS. Também realiza o trabalho na linha de frente dos eventos e campanhas institucionais em que a FS faz parte. É produtora e foi uma das idealizadoras da Campanha FS em Movimento.