Corpolítica convida para a roda de conversa sobre violência obstétrica

A Corpolítica, um projeto de extensão e uma coletiva da Universidade de Brasília, realiza neste sábado, 13, a roda de conversa sobre violência obstétrica, na Ocupação Cultural Mercado Sul Vive. A ação visa discutir em quais condições ocorre o parto normal no Brasil, apesar de ser priorizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que é o parto humanizado e quais hospitais têm esse viés.

De acordo com a ficha técnica produzida pela Artemis, instituição que luta juridicamente pela proteção de mulheres em seus partos, a cada quatro mulheres brasileiras, uma já sofreu violência obstétrica. Há ainda a apropriação do corpo feminino e de seus processos reprodutivos pelos profissionais da saúde por meio de tratamentos desumanizados, abuso da medicalização e patologização dos processos naturais causa perda da autonomia e da capacidade da mulher em decidir livremente sobre seus desejos, corpos e sexualidades.

“Em vista deste cenário, propomos o debate desse tema tão velado, assim como por meio de redes e de mecanismos de apoio e diálogo sob um aspecto jurídico-médico-psicológico, com vistas a subverter os já padronizados métodos da Medicina, e os não atualizados modos universitários em lidar com mulheres parturientes”, diz a carta de divulgação da atividade.

Serviço

Roda de conversa – “CORPOLÍTICA em: Cesariana x Parto Normal, Diálogos sobre violência obstétrica”

Onde: Ocupação Cultural Mercado Sul Vive

Endereço: QSB 13, Blobo B,Loja 5 – AE Mercado Sul  | Taguatinga Sul

Quando: 13 de maio de 2017

Vagas: Livre

Outras informações: acorpolitica@gmail.com

ComunicaFS