Go to the content
or

Full screen

NÚCLEOS DOCENTES ESTRUTURANTES

February 27, 2018 14:43 , by CENTEIAS - | No one following this article yet.
Viewed 722 times

O SIESCO promoveu formação para os Núcleos Docentes Estruturantes dos cursos da Faculdade de Ciências da Saúde e de Medicina. Foram realizados seis Fóruns que abordaram diferentes temáticas e, dentres eles, dois Seminários Internacionais de Experiências Educacionais em Saúde nos cursos de Enfermagem, Farmácia, Nutrição, Odontologia e Saúde Coletiva e Medicina. Os encontros tiveram como objetivo promover a formação pedagógica favorecendo o debate e a interação entre os docentes sobre o processo de reforma curricular realizado na Faculdade de Medicina e em andamento nos cursos da Faculdade de Saúde.

A programação dos Seminários internacionais com o tema Experiências de Educacionais em Saúde foi elaborada com o objetivo de refletir sobre o processo de formação e analisar concepções e as práticas integradoras da construção do conhecimento. A participação da Escola Superior de Ciencias da Saude (ESCS) trazendo a experiência da implementação curricular baseada em metodologias ativas de ensino aprendizagem é um importante referencial para essa reflexão. Da Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto com o histórico das reformas curriculares na área da saude no Brasil e no contexto internacional. A concepção e práticas de avaliação da aprendizagem com metodologias ativas. Acrescenta-se a essa discussão a abordagem trazida por outras universidade como a Universidade Federal de Goiás, com tecnologias inovadoras no curso de Farmácia, com a Oficina com metodologia TBL envolvendo a participação dos docentes.

Foram muitas oportunidades de debater as tendências pedagógicas utilizadas na área da saúde para as reformas curriculares à luz dos movimentos das Diretrizes Curriculares Nacionais e de revisitar as temáticas e propostas de integração curricular e suas dimensões: construção de eixos integradores, temas geradores, matrizes em espiral e articulação de saberes no desenvolvimento de metodologias ativas de ensino e aprendizagem.

Destacou-se nessa trajetória o Fórum realizado com o Instituto de Química e de Biologia da UnB com o objetivo de realizar a aproximação das áreas e disciplinas que integram a matriz curricular dos cursos da área da Saúde, e compartilhar as ações em andamento para a reforma curricular, além de oportunizar a criação de estratégias conjuntas para um currículo integrado com todas as áreas que compõem a matriz curricular dos cursos da área da saúde.

Os fóruns demonstraram a importância da construção coletiva com os Núcleos Docente Estruturante, de novos projetos pedagógicos de curso, propostas mais arrojadas com evidências pelo Brasil afora de que é possível organizar um currículo integrado e que seja atrativo para nossos alunos. E que, além de tudo, forme melhores profissionais de saúde.

Complementado essa ação, o ano de 2017 foi marcado por um conjunto de avaliações externas dos cursos, realizado pelo INEP/MEC. Nesse sentido, foi fundamental, no Forum dos NDEs que promoveu o debate em torno dos relatórios de avaliação de cada curso, com comprometimento de desenvolvimento de ações de melhoria. Os encaminhamentos para serem discutidos com a direção da Faculdade de Saúde, DEG e Reitoria, forma os seguintes:

1) Promoção de espaços nos NDE para discussão sobre as avaliações dos docentes

2) Realização de educação permanente dos docentes em metodologias ativas;

3) Promoção uma política institucional sobre a importância da avaliação entre os docentes, os discente e os funcionários;

4) Aprimoramento da infraestrutura das salas de aulas;

5) Ações junto a BCE sobre a falta de livros  e o impacto nas avaliações; qualificação dos profissionais para receber as avaliações in loco.

6) Necessidade de incorporar o uso de e-books como bibliografia básica a ser considerada pelo MEC;

7) Ampla divulgação dos relatórios dos processos de avaliação dos cursos entre as diferentes instâncias da UnB para promoção de melhorias.

8) Ampliação do corpo docente e técnico envolvido na construção, monitoramento e avaliação dos currículos;

9) Aumento do uso de tecnologias de informação e comunicação (T&I) – a saúde coletiva tirou nota  3;

10) Necessidade de esclarecimentos e orientação do DEG sobre reforma curricular e atualização curricular;

11) Promoção da análise comentada da prova do ENADE nos cursos da FS;

12) Dimensionamento da participação dos NDEs nos colegiados.

13) Reunião com os presidentes dos NDE para discutir o processo de formação dos docentes da FS e FM com apoio do FAIMER.